quinta-feira, 31 de maio de 2018

A pirâmide da morte ou limpando a bunda alheia


      No filme “O silêncio da montanha” um soldado austríaco, na primeira guerra mundial,  faz uma piada sobre as possibilidades de escolha que temos na vida, mesmo nas piores situações. Diz ele coisas absurdas como se você morrer e for pra uma vala comum ao invés de um túmulo ainda terá duas escolhas, caso caía lá no fundo da pilha.  Uma delas , é a possibilidade de se transformar numa árvore, mas se você não for uma bela árvore ramada, e sim uma árvore conífera,  não se preocupe, você ainda terá duas escolhas: se transformar num belo pedaço de madeira ou , caso você se torne apenas um corte, ainda assim , poderá acabar numa fábrica de papel  , onde,  na melhor das hipóteses , poderá vir a ser um belo papel de carta, ou , na pior hipótese, "a paper toilet" ( nosso papel higiênico). Nesse caso, você acabará na bunda de alguém...
      É irônico que ele diz tudo isso um minuto pouco antes de morrer com um tiro no peito, rindo da própria piada.

William Moseley em "O silêncio da montanha"

      As escolhas são algo que nos leva pra lá e pra cá sem que percebamos. Escolhemos o tempo todo  sem nos darmos o porquê. Sem nem nos apercebermos.
      Pode ser que você chegue  hoje mesmo atrasado no trabalho porque decidiu usar aquela blusa preta em cima da hora, que terá que passar a ferro ao invés de usar a azul que já estava passada e , sendo assim ,  com uns cinco minutos fatais , dados por aquele sinal que quebrou no  túnel e fez atrasar o ônibus, o resultado é que o chefão irá te ver chegar esbaforido/a, te  olhar de cara feia e o seu dia mudará completamente...
     Mesmo assim, você ainda terá duas escolhas: tentar explicar a situação com uma boa desculpa, ou dar um f...e concluir que esse tipo de situação é o empurrão que , quem sabe,  você precisava, para dar um basta na sua vida vazia  e  procurar um emprego melhor que te satisfaça, já que esse trabalho, essa cidade , é tudo uma m...
      Ou, naquele outro dia, você decidiu sair de bicicleta sem capacete porque estava com pressa. Mas,  com pista molhada, um acidente te fez quebrar a  perna . Mas, apesar disso, você ainda tem duas escolhas: vender a bicicleta, ou nunca mais sair sem capacete. Se vender a bicicleta, ok, mas se sair com capacete e ainda assim , for atropelada outra vez , você ainda terá duas escolhas: desistir de ser ciclista ou mudar pra uma cidade menos movimentada.
   Se desistir de ser ciclista , tudo bem, mas se mudar e não gostar, você ainda tem duas opções: ignorar onde mora e ser feliz de qualquer jeito, ou mudar-se de novo. Se  ignorar onde mora, bom pra você; mas se mudar de novo, poderá fazer novos amigos...
   Se o fizer , bom pra você; mas se não fizer, talvez seja a hora de mudar de país, ou tornar-se eremita...
     Assim , você verá que o ciclo das escolhas permanece e continua infinitamente. São as possibilidades da vida. O novo, matando o que ficou pra trás...
      Nascemos e morremos, e vamos pra lá e pra cá, movidos por nossas escolhas, sim!
      A verdade é que todas as situações da vida te dão escolhas. Mesmo que você não queira enxergá-las, a princípio. E todos nós adoramos a frase pronta e clichê: ”Eu não tive escolha”.
    A verdade é que temos.
    E é uma boa notícia, por que não?
    Por pior que tudo seja, saiba que pode ficar pior ainda. Mas você pode ter, dentro desse pior,  pelo menos,  duas escolhas. Que podem ou não ser melhores do que a primeira que ficou lá no início....
    Então, preste atenção, antes de morrer contando uma piada e  servir de papel  pra limpar a bunda de alguém...

Nenhum comentário:

Postar um comentário